whats (43) 9 9156.9145

6 CAUSAS URGENTES DE LONDRINA À ESPERA DE NOVOS VEREADORES PARA ABRAÇAR

por Marcelo Frazão

Londrina – Todo começo de mandato dos novos vereadores é assim mesmo. Normal.

Chegam querendo mudar o mundo.

Cheios de gás e ideias preconcebidas desde que eram moradores, no entanto, não conseguem se encaixar além do espaço da mesa do gabinete.

À procura de problemas e debates para resolver, podem se perder.

Ligo a internet e um vereador de Londrina está lá na capital federal, Brasília, a esbravejar em uma audiência pública.

Não foi buscar recursos, não passou em nenhum ministério, não levou nenhum projeto de Londrina. Fez enfrentamento ideológico com o inimigo-invisível que cultua – “a extrema esquerda” e gravar entrevista com o filho do Bolsonaro.

Nem é preciso ir tão longe para fazer valer uma bandeira que ajude Londrina durante os quatro anos de mandato.

Alguns, extremamente novatos, tem ampla dificuldade de mostrar a que vieram.

Geralmente saem de “nichos”: igrejas, movimentos sociais, pessoas que defendem causas específicas, empresários.

Só alguns conhecem Londrina além da esquina de onde moram. E tais origens não os credenciam, exatamente, a se tornarem um vereador da cidade de Londrina, mesmo que estejam legitimamente empossados e no exercício do cargo.

Daí essa desconexão e dificuldade de entender o que precisa fazer por Londrina assim que se chega a um lugar como a Câmara de Vereadores.

Se nunca participou da vida da cidade e da vila, é preciso aprender sobre Londrina e parar de torrar tempo e dinheiro com coisas que não sejam respostas para o nosso problema. Para os problemas de Londrina.

Vereadores freelancers chegam caçando sarna para se coçar – e miram nos assuntos mais ridículos para gastar o tempo bancados com o nosso dinheiro.

Como se sabe, um vereador dispõe de um gabinete onde pode contratar assessores e ter despesas pagas de telefone, internet e correio.

Além do ótimo e gigantesco salário de R$ 12.900,00. Com descontos, R$ 9.780,74.

Neste janeiro que passou de 2017, pagamos os salários integrais de 19 vereadores + gabinetes. Um bônus: o pessoal assumiu e “saiu” de férias.

Na volta, e já tendo recebido salário por um mês mais ou menos trabalhado, foi dada a largada.

Com Londrina em estado crítico, há muitos assuntos que merecem moção de apoio e projetos de lei – entre várias coisas que um vereador pode fazer para atuar.

Para economizar o tempo deles, o Tp1 aponta 6 bandeiras/questões/causas de Londrina para qualquer legislador abraçar e parar de viajar na maionese.

Os novatos que querem sentar na janelinha podem batalhar nesses temas despreocupados: quanto mais gente tiver, melhor. São demandas históricas, irresolvíveis até agora. Ótimos temas para se perderem de tanto trabalhar.

Se conectando a uma dessas – ou a outras – o parlamentar nunca mais terá tempo para inventar moções de apoio como a de defesa do estagiário que se exibiu falando asnices no facebook, em pleno horário de trabalho na empresa.

No lugar de propagar causas inócuas ou somente investir em projetos de lei – cada gabinete poderia tornar-se um “cluster” para mobilizar moradores e autoridades de Londrina em direção às soluções dos problemas que nos dóem.

Tp1 organiza essa proposta de agenda mais urgente para os novatos:

1 – CRIANÇA de 0 a 3 ANOS SEM PRÉ-ESCOLA

Enquanto tem vereador que torra o tempo de Londrina com o blá blá blá da Escola sem Partido, veja o que acontece na vida real.

Londrina ainda maltrata as crianças de 0 a 3 anos cujos pais não tem como bancar centros de educação particulares para elas enquanto trabalham.

Aí algo realmente urgente: pouco ou nada temos como solução para essa grave dificuldade das crianças e dos pais e mães delas.

Na administração Kireeff, tomou-se a decisão – agora em curso – de extinguir o período integral em algumas das “creches” municipais, criando dois períodos. Uma tentativa de aumentar o número de crianças atendidas, mas pela metade do tempo.

Agora, quem chega cedo vai embora no almoço para dar lugar ao amiguinho da tarde.

Imagine só: com a crise, segundo os dados da própria Prefeitura de Londrina, a enorme fila de 5,5 mil crianças sem vagas na educação infantil SALTOU para 7 mil em 2017!

Em Londrina, nos bairros e vilas criam-se as vizinhas crecheiras – moradoras que tomam conta da criançada enquanto os pais trabalham (de graça ou pagando).

Não há dados sobre isso, mas as consequências para a educação vão chegar como um bumerangue para Londrina.

Um vereador novato tem um gabinete  e assessores para isso. Podem criar mapas de situação, amealhar dados, se comunicar com essas mães e crecheiras e pensar estratégias de como lidar com isso. Quem entender esse recado, só será valorizado pela comunidade. A estrutura, estamos pagando.

2 – CRIANÇAS SEM MATERIAL ESCOLAR

Na semana passada, uma reportagem da RIC TV mostrou dezenas de crianças do assentamento Nossa Senhora Aparecida, aqui na nossa cidade, lá no extremo norte de Londrina.

O assentamento Nossa Senhora da Paz: dificuldades de todos os tipos, para todo mundo -imagine como é isso para as crianças (foto Ivo Ayres)

Não sei se você conhece o assentamento mas é como se relegássemos umas 1,2 mil pessoas ao esquecimento.

As crianças de lá até conseguem, na luta, ir às escolas dos bairros próximos – mas não tem roupas, cadernos, lápis de cor, canetas, mochilas.

É Londrina, tá?

A jornalista Carolina Martinez, da RIC, mobilizou uma reportagem e fez a entrega de muitos kits de materiais que moradores e empresas de Londrina doaram após as cenas na tevê e na internet.

 O vídeo aqui:
https://goo.gl/qLW1OH

Um alívio que, ali, isso tenha sido temporariamente sanado. E um desconforto diante da certeza de que há muito mais crianças na mesma ou em situação mais degradante ainda.

Um funcionário da Prefeitura de Londrina que presta atendimento em áreas críticas da cidade contou ao Tp1 que aumentou muito, em bairros como o Jardim União da Vitória (zona sul), por exemplo, a dificuldade dos pais para comprar cadernos, lápis, materiais, roupas e dar condições para as crianças.

A partir do alerta da RIC, deveríamos agir como agem os moradores das cidades mais unidas do mundo.

E os gabinetes dos vereadores têm exatamente o que precisamos: telefone, acesso à internet e comunicações, capacidade logística para receber doações e de mapeamento.

Carolina Martinez com as doações: resposta imediata após uma reportagem e um post no facebook

Já pensou a Câmara de Vereadores inteira elegendo a mobilização como prioridade?

* Aliás, lembrei que, em Londrina ainda temos até escolas de madeira, como a do Jardim Tókio (zona oeste).

A criançada, no Nossa Senhora: da paz – material para todo mundo

3 – MATO POR TODOS OS LADOS

Aí uma coisa que daria gosto de ver. Vereador pegando na roçadeira e ajudando os moradores nos bairros.

Assim como no caso do material escolar, os gabinetes dos vereadores poderiam cadastrar e organizar moradores de Londrina disponíveis para ajudar a amenizar o mato nos bairros e nas vilas.

Evidente que o dinheiro disponível na CMTU não é suficiente para a roçagem do mato em Londrina inteira.

Se quisermos isso, teremos que tirar de outra coisa. E temo que não haja mais de onde tirar.

Os gabinetes podem se tornar suporte de quem quer ajudar Londrina.

Com o eleitorado e o arsenal de comunicação disponível, os vereadores novatos poderiam mapear moradores capazes de se agrupar em pequenas e rápidas equipes voluntárias de roçagem de mato.

Se cada gabinete mobilizasse uma ÚNICA equipe dessas, teríamos de um dia para o outro 19 locais imediatamente limpos em Londrina. Poderia ser escola, posto, terrenos.

Agora visualize isso em toda a escala possível.

Tem muita gente com cortador de grama de jardim, roçadeira, enxada, pá e coisas que podiam servir na praça ou no fundo de vale perto de casa.

Carpir uma data e ajudar a fazer isso em Londrina. É o melhor conselho para o início de mandato de qualquer vereador novato que esteja perdido, sem bandeiras locais.

Ajudaria a cidade mais do que qualquer discussão ideológica.

Existem centenas de locais espalhados por Londrina semelhantes ou muito piores do que esse

4 – RESOLVER 300 a 500 PONTOS (ou mais) DE DESCARTE DE LIXO E ENTULHO EM LONDRINA

Londrina inteira tem apenas dois ecopontos para as pessoas disporem entulho de pequenas obras.

Fundos de vale, terrenos, calçadas, ruas afastadas da cidade estão repletas de entulho, lixo doméstico e resíduos de categorias específicas – como filtros de óleo, lâmpadas, tintas – abandonados por oficinas, mecânicas, lojas, moradores que exercem atividades formais e informais.

Nos últimos 10 anos, pouco ou nada foi feito sobre isso.

A CMTU diz existir em Londrina mais de 300 pontos de descarte – e a experiência mostra que o total pode facilmente chegar ao dobro do que foi mapeado.

Só a mobilização pode limpar e impedir que isso volte a acontecer repetidamente, durante anos e anos, em todos os cantos da cidade

Neste caso, vale o mesmo que para o mato. Vereador organizando voluntários e equipamentos, juntando com a Prefeitura de pá na mão, acompanhados de nós, moradores, seria uma boa forma de demonstrar algo acontecendo e uma atenção pública para este problema tão assustador.

A Câmara de Vereadores poderia criar, inclusive, uma Sala de Situação e Gerência para a crise do lixo que Londrina vive.

5 – PRÉDIO PARA TRATAMENTO DE ODONTOLOGIA DE PACIENTES ESPECIAIS

O prédio que a Prefeitura cede à entidade GETEXCEL – única onde alguém com deficiências físicas, motoras e sensoriais pode tratar dentes – está, literalmente, caindo.

Olhem só o estado do prédio onde fica o atendimento

Visitar a sede do serviço, conversar com os profissionais voluntários e levar essa bandeira daria dignidade a qualquer mandato de vereador da Câmara de Londrina.

A casa do Getexcel: caindo aos pedaços

O vereador Boca-Aberta, novato-veterano na arte política, já doou – pelo segundo mês seguido – o salário para o Hospital do Câncer.

Dos R$ 9.780,74 que sobram após descontos, ficou com R$ 1.920,00 – equivalente ao salário de professor do Estado em início de carreira – e entregou o restante na mão do hospital.

Se cada vereador arriscasse uma causa – não apenas sozinho, mas com a população – poderíamos mobilizar respostas rápidas para os casos mais pontuais e urgentes. Como o do Getexcel.

Se uma única vez por ano todos os vereadores doassem um mês do próprio salário (excetuando o Boca-Aberta, que já faz isso para o Hospital do Câncer), teríamos R$ 7.860,74 X 18 = R$ 141.493,32.

Já pensou quase R$ 150 mil injetados em algum problema escolhido pelo coletivo dos vereadores? E se nós moradores participássemos aumentando esse bolo?

6 – MOÇÃO DE APOIO AO SITE BOLA FURADA E PROFISSIONAIS DA RÁDIO PAIQUERÊ AM BARRADOS PELO GESTOR DO LEC NO CENTRO DE TREINAMENTO

 Se tem vereador novato para aprovar moção de apoio – “em nome da liberdade de expressão” – por declarações repugnantes de um estagiário demitido por ofender mulheres na internet, deve ter também para apoiar profissionais que sejam atacados na liberdade de imprensa e exercício da profissão.

Os vereadores poderiam se movimentar e enviar um documento ao gestor do LEC, Sérgio Malucelli, para que cesse com as hostilidades a jornalistas e libere o site Bola Furada e a rádio Paiquerê AM de frequentarem o Centro de Treinamento da SM Sports.

Os veículos foram barrados na cobertura do Tubarão por questionarem o gestor do clube.

Em Londrina não cabe vedar o acesso da imprensa a treinos, coletivas e a informações públicas – dentro e fora do gramado.

Aqui no Tp1, pedimos que Malucelli apenas pare de se atritar com os jornalistas, deixando jogadores e técnico livres para falar.

Onde estão vereadores para se manifestar sobre o que IMPORTA?

O post em que o Bola Furada comunica ter sido barrado é este:

https://goo.gl/nCd1bo

 

Inútil torrar tempo e dinheiro discursando e produzindo documentos para causas fora da realidade de Londrina se há, à disposição, um cardápio enorme de temas da cidade para ajudar e se mobilizar.

Não é difícil!

O caminho é ter disposição e sinceridade para aprender mais sobre Londrina e agir naquilo que precisamos encarar de fato.

Para quem ganha quase R$ 10 mil mensais, dispõe de gabinete, estrutura e assessores pagos, é a mesma coisa que estar com a faca e o queijo na mão.

Somos Londrina. Somos Todos por Um.

2 thoughts on “6 CAUSAS URGENTES DE LONDRINA À ESPERA DE NOVOS VEREADORES PARA ABRAÇAR

  1. Ótimo texto! Para aqueles que elogiam o Dória gari, pintor, entre outros, que tal exigirmos que os nossos também coloquem a mão na massa, pelo menos como o texto indica?

  2. Roger Striker Trigueiros

    Parabéns. Idéias sensacionais que devem ser cobradas dos nossos vereadores. Aliás a sociedade deveria estar mais atenta e solidária.

Leave a Reply