whats (43) 9 9156.9145

UMA FEIRA DE ORGÂNICOS PARA CHAMAR DE SUA

Marcelo Frazão

Londrina – Você pode até não gostar dessa pergunta. Só que agora posso fazê-la com base na minha própria experiência sobre o tema.

Qual é o seu “mimimi” para não comer melhor em Londrina?

Qual é a desculpa que geralmente você usa para não se interessar mais diretamente sobre comer sem veneno, orgânicos e afins?

Como morador de Londrina a gente sempre espera que um milagre aconteça e que, de repente, nossa cidade torne-se um oásis de ciclovias, trânsito respeitoso e seguro, árvores bem cuidadas, ruas limpas e acesso para a população à comida sem veneno ou aos orgânicos.

Essas são alguns temas do Todos por Um.

Mas, como jornalistas, junto com a Chris Mattos e o Ranulfo Pedreiro, não esperamos milagre.

Indo além das notícias – algo que fizemos muito bem nos últimos anos, nos maiores veículos de comunicação aqui da nossa cidade – decidimos que seríamos capazes, junto com mais pessoas, de fermentar soluções sobre esses e tantos outros temas sobre Londrina.

Um deles, certamente e sem dúvida, é o acesso à comida sem veneno.

Quando falo comida, digo de frutas, verduras, legumes – e até ovos, pães, massas.

Existem várias formas de se envenenar.

Eu mesmo não sou imune a várias delas, mas algo que passei a compreender um pouco mais por dentro é como podemos, em Londrina, fomentar a cultura do sem veneno.

Aqui no Tp1, começamos várias conexões.

A primeira delas é aumentar o número de produtores de orgânicos em Londrina. Mais oferta, mais gente comendo.

Ano passado, o Tp1 conheceu a família Rampazzo, no distrito de São Luiz, sul de Londrina.

A fala da Thaíse Rampazzo, produtora, era reveladora sobre a preocupação da família. “A gente aprendia como plantar verduras e legumes sem veneno só com as informações que conseguíamos na internet”.

Assim que ouviu isso, a Christina Mattos, aqui do Tp1, não teve dúvidas: conectou os agricultores ao valioso Núcleo de Agroecologia da Universidade Estadual de Londrina (UEL).

Agora, os Rampazzo estão a poucos meses de obter a certificação orgânica. Uma vitória deles.

Eu mesmo passei a comprar dos Rampazzo diretamente.

Na sequência, começamos a mostrar para os demais moradores de Londrina a batalha da família. E levamos, várias vezes, interessados em passar uma manhã na propriedade.

Com o Tp1, muita gente (você está no meio?) já colheu diretamente da horta orgânica, foi ao rio e à mina da propriedade, almoçou como um Rampazzo e conheceu a família.

Moradores indo a campo na propriedade dos Rampazzo, com o Tp1

Com isso, aprendi que quando compro a comida plantada por eles, invisto na família e no impacto do que fazem.

Fez sentido para mim.

Com o nosso grupo de whatsapp, mais gente passou a comprar dos Rampazzo também. Tudo pode ser entregue em casa.

Para vocês terem ideia, uma cesta com diversas quantidades de itens de uns sete orgânicos custa R$ 60. Divido em grande quantidade com mais três famílias.

Quanto mais moradores de Londrina os conhecem,  maior o interesse em aderir à proposta.

Ou seja: ver de perto e participar de conexões deu o empurrão necessário para exterminar minhas constantes desculpas como morador de Londrina.

Me declarava um interessado em comprar alimentos sem veneno mas logo deixava de fazer o que precisava ser feito.

Vivia repetindo que os orgânicos eram caros no mercado, que não havia lugar para comprar, que isso era difícil, que aquilo e tal…

Quando o Tp1 foi em busca do assunto, percebemos que todo mundo tinha os mesmos argumentos para não consumir orgânicos aqui em Londrina.

E decidimos que era preciso detonar mitos, abrir o assunto, levar mais ainda as pessoas às propriedades.

Era preciso conhecer as pessoas que plantam a nossa comida.

E abrir isso para todas as pessoas que puderem estar com a gente.

Agora, registramos a ÚNICA Feira Orgânica que acontece TODO SÁBADO, das 9h às 12h, aqui em Londrina.

Você deveria ir lá: fica na rua Uruguai 1656, esquina com a rua Venezuela. Na Vila Brasil.

Ali estão cinco famílias de agricultores que vendem itens próprios e de mais cinco produtores orgânicos. E ainda uma associação sem fins lucrativos que acaba de criar uma escola da iniciativa Waldorf em Londrina. Vendem cafés e tortas feitos com orgânicos e o que é arrecadado vai para o projeto.

As cinco famílias de produtores da Feira de Orgânicos: não existe concorrência entre eles

Tudo o que existe é certificado. Sem veneno mesmo, e dentro de padrões de produção.

A única feira orgânica de Londrina é iniciativa dos próprios produtores associados.

Entre várias atitudes necessárias para nos tornarmos a cidade que queremos ser, o Tp1 se impôs a tarefa de ver Londrina como referência em orgânicos.

E nesta TRANSMISSÃO AO VIVO, quebramos os mitos perguntando TUDO o que qualquer morador de Londrina precisa saber sobre o tema.

Banca de orgânicos na Feira da Vila: quando fui, a banana era mais barata que no mercado – e sem veneno!

Com este arsenal de CONTEÚDO, qualquer um pode se interessar em aumentar o consumo dos orgânicos.

A palavra “consumo”, inclusive, nem é tão apropriado assim. Quem compra orgânicos financia uma cadeia de saúde que começa com o meio ambiente, os rios, o solo, a vida do produtor e a sua própria vida.

“Tem gente que deixa de comprar remédio e passa a comer orgânicos”, diz logo Gustavo Reis, produtor de Guaravera, presente na Feira da Vila Brasil.

Na conversa com quem planta a nossa comida, vem clara a diferença entre pagar por um produto convencional, comprado muitas vezes com a intermediação de um supermercado, e lidar diretamente com o produtor interessado nesse propósito.

Para quem vê com normalidade pagar R$ 3 por uma garrafa de água ou R$ 4  por uma lata de Coca-Cola – e reclama de investir R$ 4 em uma moranga orgânica linda (como a da foto) – os argumentos desse conteúdo valem como um chacoalhão necessário.

Vejam a história do (ex) designer Eduardo Carriça e da bióloga Gabriela Scolari, da Terra Planta.

Carriça, na sua propriedade: floresta dá suporte para a horta saudável

Tp1 com moradores de Londrina visitando a propriedade do casal

Eles usam uma prática chamada agricultura sintrópica.

Deram-se conta – aprendendo com um suíço – que plantar árvores com comida seria um caminho muito mais viável para a cultura orgânica. A prática de crescer floresta junto com verduras, frutas e legumes ajuda a “criar” solo.

“Na nossa terra o solo era muito degradado porque servia só para plantio de soja e precisava ser reestruturado. Tínhamos que ter a condição para os orgânicos”, diz a bióloga.

“Plantas em solo saudável não são atacadas por insetos. Neste caso, a floresta faz as plantas ficarem totalmente saudáveis porque fornece água e nutrientes. Sem isso, é preciso usar herbicidas, adubos e tudo o mais”, ensina.

O casal também inicia a certificação de ovos orgânicos – a procura na feira é grande. Já nem dão conta com a pequena produção que tem.

“No começo, as pessoas acham os orgânicos feios. Mas quando se cuida do solo, acaba esse problema”, completa Eduardo, exibindo cenouras, abóboras, alfaces e vários tipos de comida sem veneno.

Neste vídeo ao vivo você pode ver todos os mitos sobre o consumo de orgânicos em Londrina serem quebrados.

Se para você preço é um deles, assista ao que dizem os agricultores. “Aqui na nossa feira há produtos com preço até 35% menores do que no supermercado”, assegura.

“A gente paga R$ 30 por um lanche ruim em fastfood e acha normal. Com R$ 30 aqui na feira dá para sair com o suficiente para alimentar uma família inteira por pelo menos uma semana”.

Na transmissão direto da Feira, entrevistamos ainda os produtores

Gustavo Reis – de Guaravera, Londrina
Eduardo e Gabriela (Terra Planta) – de Sabáudia
Rosane (Flor do Campo) – pães integrais, massas e compotas só com orgânicos
Guilherme (Orgânicos Vó Felícia) – Limoeiro
Vani – Café biodinâmico com a Iniciativa Waldorf
Luiz Monobi e Luíza (Sítio Pulsare) – Limoeiro, em Londrina

No mais, clique no link com a transmissão.

E vá à feira de orgânicos da Vila Brasil.

Tudo o que você precisava saber sobre orgânicos em Londrina e não tinha como perguntar

Depois, conte para a gente o que achou desse conteúdo Tp1!

Somos Londrina. Somos Todos por Um.

11 thoughts on “UMA FEIRA DE ORGÂNICOS PARA CHAMAR DE SUA

  1. SUELI MARIA ORCIOLI

    Boa noite!
    Achei muito interessante, todas as informações, como posso adquirir os produtos, sem ir até a feira?

    • SUELI, ótima questão!
      Em breve vamos SOLTAR uma matéria com o LISTÃO dos contatos dos produtores – e aí a maioria deles atende por whatsapp, ok?
      Antes de comprar pelo whatsapp, vai na feira conhecer as pessoas que podem plantar a sua comida!
      Aí, quem sabe, vc simpatiza mais com esse ou aquele e decide aderir primeiro a um específico, por exemplo.
      Por que vc não vai lá tomar um café (tem uma barraquinha de cafézinho orgânico delicioso!) e conhecer eles de perto?!
      Eles adoram!
      Mas se não puder, SUELI, aguarde que vamos dar as dicas.
      Abração e obrigado por estar com o Tp1 nessa!
      Marcelo Frazão
      Somos Londrina. Somos Todos por Um.

      • Vai lá Suely, eles entregam sim! . Se quiser, me manda um oi no whats que dou umas dicas. É só confirmar ai com o pessoal do Tp1 se posso passar meu contato p vc que será um prazer compartilhar. Abraço!

  2. SAMUEL PINTO DE OLIVEIRA

    Procurava uma opção em Londrina e esta reportagem veio bem na hora. Gostaria sim de participar deste grupo e adquirir os produtos. Como na quinta sempre estou fora de Londrina, gostaria de ter acesso via wathsap para iniciar as compras e logo que possível vou à feira conhecer o pessoal.
    Matéria muito legal. Parabéns!!!

    • Valeu, Samuel!
      Tp1 gera só conteúdo de valor para os moradores de Londrina!
      Quer entrar na lista de moradores do Tp1?
      Posso inscrever seu email para receber conteúdos e avisos sobre o que fazemos?
      Abs!
      Marcelo Frazão
      Somos Londrina. Somos Todos por Um.

  3. Boa tarde, você menciona no texto sobre um grupo do whatsapp de compra direto com a família Rampazzo, tem como incluir? as vezes tem variedades de produtos.
    Sobre a feira já conheço, infelizmente não consigo ir todo sábado, mas os orgânicos, além de todos os benefícios, ainda são mais saborosos.

    • Com certeza, jozilene!
      pode enviar seu whatsapp para tp1@tp1.com.br?
      Aí a gnt te inclui no grupo de orgânicos do Tp1 – onde está a Thaise Rampazzo e por onde divulgamos informações produzidas pelo Tp1 sobre o tema.
      Abs!
      Marcelo Frazão
      Somos Londrina. Somos Todos por Um.

  4. Gostaria de saber qual é o telefone e se vcsl entregam a cesta.

  5. Queria saber onde fica pra fazer uma visita

  6. Antonia Ribeiro Saladini

    A muito tempo estou procurando e como adquirir produtos organicos em Londrina. Estou feliz porque sei que agora existe uma feira especifica. Gostaria de saber o enderço para visita-la.

  7. Bom dia. Achei muito bacana a proposta de vcs.
    Eu tenho uma marca de cafés especiais, e tenho a linha de cafés orgânicos.
    Vcs trabalham com café? Seria um prazer conversar melhor com vcs pra quem sabe podemos ser parceiros de negócios.
    Se puderem visitar nosso site http://www.harpiacoffee.com.br
    Obrigado.
    Matheus Belli Teodoro

Leave a Reply