whats (43) 9 9156.9145

DEPRÊ NO FACEBOOK? VEM COM O TP1LIVE#23!

DEPRÊ NO FACEBOOK? VEM COM O TP1LIVE#23!

img_2977
Caio Rosa, no Tp1LIVE#23: “O facebook é como um caça-níquel”

por Marcelo Frazão, da redação do Junt.us – Escritório Colaborativo

Londrina – Um presidente controverso é eleito nos Estados Unidos após uma previsão feita em um desenho animado. O mundo pira.

No Brasil, um ministro grava outros  conversando sobre a liberação de um prédio em área histórica de Salvador. O facebook vai ao chão.

Fidel Castro morre. Xingamentos, agressões, conflito completo na TL.

Avião cai com o time da Chapecoense. 71 morrem. Mundo inteiro paralisado.

Absurdos se sucedem. Falta de combustível. Irresponsabilidades. Jeitinho. Etc.

Mais etc.

Nem a fantástica imagem do povo colombiano, com apoio e homenagens nos conforta: como jamais mostramos qualquer solidariedade com a tragédia colombiana de décadas, o ato doeu na gente.

Nos sentimos ingratos. Deu vergonha da gente como Nação.

No mesmo dia, corruptos se reúnem em Brasília para discutir e votar um pacote … anticorrupção! Imagens que tostam no cérebro. Reforçadas pelo ódio expresso pelos amigos na timeline.

Mais cenas: uma passeata contra a PEC do Teto e MP do Ensino Médio é atacada pela polícia do Distrito Federal no dia da votação, em frente ao Congresso. Bombas, tiros, carros virados.

Um grupo invade e destrói o saguão do prédio do Ministério da Educação.

Os amigos se digladiam na internet: “vândalos!”, “heróis!”

O presidente do Senado – 8 inquéritos no STF como currículo – vira réu no mesmo momento em que contesta o juiz-mor da “santa (!)” Lava-Jato. Cara a cara, na cara dura.  A cena impacta.

Enquanto isso, um amigo sugere-se excluir o próprio facebook. Outro sentencia: “Não tem mais jeito, sinto-me em frangalhos”.  Amigos brigam. Cérebros e almas esmigalham-se.

Dependendo do tipo de coisa que você acompanha ou lê, pode ser levado a pensar, por exemplo, que a Universidade Estadual de Londrina (UEL) vive um conflito entre esquerda e direita.  Pode ser levado a acreditar que no meio de uma aula de Engenharia entra um cara do PSTU e outro do MBL para discutir Cálculo 2.

“O facebook tem o mesmo efeito que uma máquina de caça-níquel”, compara o psicólogo Caio Rosa, da Due Coaching, em entrevista AO VIVO transmitida pelo Tp1.

O fato é que as pessoas estão na rede social buscando conteúdos prazeirosos que elevem e façam bem. No entanto, mesmo tendo a certeza de que isso não vai acontecer – como dia após dia tem sido – nada nos desconecta das redes sociais. Pelo contrário: quanto pior, mais nos fixamos nelas.

No meio disso tudo, um amigo comemora de forma singela: “Ficou uma delícia a costela com cerveja preta que fiz”, anuncia, sentindo-se feliz (Wow! – penso. “Até que enfim alguém sentindo-se bem”)

“Enquanto buscamos isso, acessamos muito conteúdo negativo, que não é saudável.  Você realmente se perde se não cuidar do seu próprio uso da rede social”, aponta Caio.

Para amenizar, uma dica que pode funcionar para você.

É o que o psicólogo chama de técnica de oscilação.

“Uma forma de preservar o cérebro é simplesmente trocar de atividade. Se vc fica muito tempo no computador, não vai conseguir descansar olhando o facebook. Se já faz isso o dia inteiro, não há motivo para fazer em hora de lazer”, diz Caio.

“Para um nadador que fica o dia todo treinando na piscina, ir às redes sociais como descanso funciona melhor para o cérebro. Mas não para quem já está conectado o tempo todo”

No Tp1LIVE#23, transmitido ao vivo, entregamos uma enxurrada de dicas e reflexões sobre como permanecer bem ao mesmo tempo em que nos relacionamos na rede.

Uma certeza: por mais merecido que seja, xingar o presidente do Senado na timeline impacta muito mais a mente dos nossos amigos do que o alvo pretendido. Sem qualquer dúvida.

Listar pequenas vitórias, pensar em sensações e hábitos que energizam, afirmar o positivo no lugar do negativo.

Levar um livro para ocupar um tempinho de espera para algum encontro, por exemplo, no lugar de sacar o smartphone e cair na rede social.

Ouvir mais música.

Se insistir em ver algo negativo, abaixe o volume do computador ou da tevê se for ver algo mais impactante.

Existem muitas formas de amenizarmos o curto-circuito e o stress que nós mesmos nos causamos quando insistimos em fazer do facebook parte muito importante da nossa vida e rotina. A Chris Mattos, aqui do Tp1, também conta o que “funciona” para ela.

No fim do vídeo, Caio Rosa saca uma dica fundamental para a gente ficar bem também durante a ceia de Natal, quando encontramos nossos amigos e parentes cara a cara – e onde tudo pode acontecer, dependendo de como é a sua família.

Vem com a gente se “tratar” um pouco neste Tp1LIVE#23. Meia hora de conteúdo gravado, do bom.

Clique aqui e assista a este CONTEÚDO Tp1!

Depois, conte para a gente o que achou!

Leave a Reply